p

sexta-feira, dezembro 15, 2006

Português ou luso-qualquer coisa?

Um cidadão naturalizado é português ou não é português? E os outros? Vão olhar para ele como português ou luso-qualquer coisa? Qualquer dia andamos para ai a dizer “Ai e tal o meu primo é luso-americano, a minha avó é luso-romena e o meu tio-avô é português de Portugal!!!!!”. Para mim não faz muito sentido essa história da dupla nacionalidade…mas o mais esquisito é quando somos nós (os tais portugueses de Portugal) que fazemos questão de dizer que os outros são luso-qualquer coisa ou pior…negamos veementemente a nacionalidade portuguesa. Senão vejamos este pedaço de notícia que saiu no JN de hoje e é assinada pelo Sr. Jornalista Fernando Mendes: “(…) foi o português Deco (esta a nacionalidade atribuída ao brasileiro no sítio oficial do organismo nº 1 do futebol mundial) que encheu o campo e as medidas ao seu técnico holandês.” Ah pois…o Deco português?! Quem? Onde? Quando? O organismo nº1 do Futebol deve andar a ver coisas a mais…portugueses, poertugueses só conheço os de Portugal...ahh e os de moçambique...herrr... os de Angola... eu podia continuar a massacrar o Sr jornalista, mas quando a incompetência é grande chateia!!!!

ps: isto não tem a ver com o Deco, apenas acho o exemplo dele flagrante

4 Comments:

Blogger Seco said...

Caxineira,
tamos a falar de um jornalista desportivo...
Não esperes grande coisa!

Mas por si só o termo Português de Portugal já me chateia.
Deveria ser: Português.

Por acaso ainda de manhã estive a fazer o download de um manual da minha empresa e no site surgia como opções de tradução:
- Portuguese (Brazilian);
- Portuguese (European);

MAS TÃO NO GOZO COMIGO!?!?!?!?
Português é Português.
É necessária a distinção, pois a língua é efectivamente diferente, mas não tentem apelidar o "inaplidável".
Acho que a identidade nacional se está a perder...

12/15/2006 2:58 da tarde  
Blogger Hugo said...

Ok,exemplo do Deco talvez não seja o melhor mas quanto aos restantes emigrantes que decidem naturalizar-se eu analizo a situação de duas maneiras:

1)Saio do meu país,Dume,para ir trabalhar para um país estrangeiro,por exemplo,Açores(:p).Deparo-me com um país acolhedor,gente afável,um sistema socio-económico e político funcional onde consigo arranjar um bom emprego,juntar uns trocos,comprar casa e carro,arranjar uma (boa)mulher(boa),constituir família e viver em paz.Identifico-me com a cultura,gosto da comida,do vinho,quero contribuir para que este fabuloso país se torne em algo melhor,algo como a Madeira!!!Sinto-me bem,SINTO-ME FELIZ!!Que se f*** Dume,quero ser açoreano!!(Para um conceito diferente de felicidade consultar pag 88 do teletxt).

2) Eu vou trabalhar para um país estrangeiro,por exemplo,Açores(:p).Deparo-me com um país acolhedor,gente afável,um sistema socio-económico e político funcional onde consigo arranjar um bom emprego,juntar uns trocos,comprar casa e carro,arranjar uma (boa)mulher(boa),constituir família e viver em paz.Identifico-me com a cultura,gosto da comida,do vinho mas agora que já saquei uma nacionalidade da Comunidade Europeia,não importa qualnunca mais chega a hora de poder voltar rico para casa e ser o maior da minha linda aldeia!Não há nada como Frossos!

Há que diferenciar um português de origem Dumense e um Frossiano naturalizado portugês

12/17/2006 2:20 da tarde  
Blogger ruds said...

Borrastes a pintura!

Sendo eu um Maximinense naturalizado Frossiano só me tenho de revoltar com tal comparação. E digo mais: estou IN DIGNADO!
Vou convocar o conselho dos veteranos dos mais grandes da minha aldeia para discutir a possibilidade de te processar por difamação do bom nome das gentes de Frossos.

Quanto ao assunto em causa: se são bons que joguem... se não são.. azar... que se passem ao real estreito que para maus já temos muitos cá.

12/18/2006 11:08 da manhã  
Blogger Hugo said...

ja´sabia que ias ficar picado...não foi ao acaso que escolhi essa linda aldeia ;)

12/18/2006 1:41 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home